quinta-feira, 26 de março de 2015

Desenhado às escondidas, em cima da perna, do outro lado da mesa


O tempo de beber um café...e matar o bicho (vício)

Vamos embora?...Sim, já vamos...
deixa-me só aaacaaabaar aaaqqquiiii umaaaa coiiisa...
já está.

Praça da Erva - Viana
enquanto as minhas meninas descem a rua ao
ritmo da minha filhota Simone

Tempo de avançar


Sábado à tarde, numa reunião com pessoas que se cansaram de esperar...

A camisola do Tomás quase pronta


A Daniela a tricotar do outro lado do sofá



Sardinhas, raras e boas...quintinhas

Com sal, prontas a avançar para a brasa. Lavei as mãos e peguei no caderno uns minutos...
o resultado não foi mau. Eram congeladas e gordas...Hmmm.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Em dia do pai...

Permitam-me:

Entregar o meu diário gráfico nas mãos dos meus filhos e pintar-lhes os desenhos...é, para eles, uma prova de confiança. Embora orgulhosos, penso que não chegam a sentir a responsabilidade que eu ainda sinto perante cada nova página em branco. Desenham livremente, com as minhas canetas, sem medo de errar. É essa liberdade a que aspiro, desaprendendo vícios, esquecendo, na medida do possível, preconceitos sobre o "desenhar" que se aprende na escola. É, simultaneamente, uma espécie de inversão de papéis, já que também é suposto que os pais façam uns rabiscos e peçam aos filhos para colorir...Fazê-lo ao contrário é, para mim, puro prazer.
A Simone - 4 anos - Título "..Os desenhos não têm nome..."

O Tomás - 7 anos ( que já se diz ilustrador )

Elevador de Santa Justa, Lisboa

Também conhecido por Elevador do Carmo. Não subi, apenas o desenhei.