quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

O Porto do meu coração


Uma parte de nós ri e outra chora quando tocamos a nossa própria raiz.
Pacificamo-nos e encontramos um rumo para os dias que virâo...
Podiamos percorrer todos os lugares, tocar o nosso coração beijando a terra, e continuariamos procurando esse lugar de origem, de origem primeira, antes da terra e do céu, que nos chama e nos lança no espaço da nossa própria liberdade.

O regresso à terra onde nasci toca-me sempre... talvez mais ainda por quase não ter vivido nela. É como se ouvisse uma música ao mesmo tempo próxima e distante, entre o choro tocado em guitarra (de Lisboa, onde a minha identidade se formou) e o riso cristalino de breves momentos de uma infância sonhada, que me dessem ser mais a norte, onde a alma falava e se ouvia.
A cidade do Porto, para quem como eu se habituou à luz aberta de Lisboa, é demasiado granítica.
Ah, mas quando chegamos ao rio... a cidade abre-se para uma outra luz, e aí compreendemos bem porque chamaram àquele rio Douro, um rio de néctar e sol profundo.


Aguarela em diário gráfico.
Tarde do 4º Encontro dos Urban Sketchers Norte, na Ribeira do Porto, na muito agradável companhia dos Aveiro Sketchers e de sketchers da região. A discreta figura que está do lado esquerdo, a desenhar, é o António Osório.

2 comentários:

  1. muito bonito!!! ainda não percebi se és melhor desenhadora ou poeta...

    ResponderEliminar
  2. Gosto muito da aguarela, rápida e desprovida de ruído, e do texto, tão sentido (ou não falasse do Porto)...

    ResponderEliminar