domingo, 5 de fevereiro de 2017

21º Encontro - Museu Militar do Porto - 4 de Fevereiro de 2017


Desenho da caixa de escadas da casa burguesa onde se encontra instalado o Museu Militar do Porto. Coloquei-me dois desafios. 1 – Desenhar com recurso à perspectiva esférica, em vez da perspectiva cónica. 2 – Usar uma caneta (neste caso, a Jinhao X450) com aparo especial para caligrafias orientais (“fude nib”).


Desenho do modelo em gesso da estátua de Henrique Moreira, comemorativa da participação portuguesa na Grande Guerra. A estátua em bronze está na Praça Carlos Alberto. Este modelo está no pavilhão do Museu Militar do Porto. Desenhei primeiro o esboço a tinta permanente, e deu mais luta do que eu estava à espera. O que mais me custou foi o capacete, por estranho que pareça. Em várias fases do esboço assemelhou-se bastante ao chapéu do Homem do Leme, na Foz. Fiz depois o desenho da direita, com a Pentel. O desenho de estátua pode ensinar muito sobre o trabalho da luz sobre os materiais.



3 comentários:

  1. Muito bom o desenho do espaço. Pensava não ser possivel desenhar a partir desse ponto e é interessante aborda-lo com uma perspetiva esférica para conseguir dominar o espaço. Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Nuno. A perspectiva cónica parte do princípio que vemos com um único olho (o vértice do cone), que os raios visuais se projectam no nosso cérebro numa superfície vertical e plana (a base do cone), e que estamos absolutamente imóveis quando desenhamos. Como sabemos, nada disso corresponde à nossa fisiologia ou à nossa experiência do espaço. Por isso, às vezes a perspectiva esférica ajuda.

      Eliminar